Porque Israel se tornou uma Nação de Startups

Embora aparentemente paradoxal, a tecnologia prosperou em uma nação simbolizada pela religiosidade. Até Jerusalém está entre as muitas cidades de Israel que conquistaram seu lugar na nação de startups, atraindo imensas quantidades de talentos, capital e investimentos estrangeiros e nacionais.

A lista do Bloomberg Global Innovation Index 2015, colocou Israel em quinto lugar na lista dos países mais inovadores e impressionantes e em segundo lugar em Pesquisa e Desenvolvimento.

As principais empresas globais, incluindo Microsoft, Google, Cisco e Intel, têm centros de pesquisa e desenvolvimento em Israel.

Como pode um país pequeno, sem os recursos físicos e a força de trabalho de imigrantes, de alguma forma se tornar um líder na indústria de tecnologia que está dominando o mundo?

O surgimento de Israel como uma capital tecnológica se deve ao resultado de uma série de fatores distintos, incluindo a cultura, o recrutamento obrigatório e os incentivos governamentais.

Para entender completamente a dinâmica do Israel moderno, sua indústria de alta tecnologia e o clima econômico e político em que opera, é útil ter um conhecimento de alto nível da história da área de 1882 em diante.

Só com este entendimento poderemos apreciar o fato de muitas das empresas produzirem inovação de classe mundial.

Das migrações em massa às guerras da independência e aos embargos e estagflação até a nação startup, a história de Israel tem de tudo.

Assim como sua narrativa é notável, igualmente notável é a história do setor de alta tecnologia no país. A nação dos sartups, como agora Israel é frequentemente conhecida, pode traçar suas raízes econômicas até 1990, mas social e culturalmente, suas raízes remontam a antes da Guerra de Independência de Israel até as primeiras Aliyot (migrações em massa).

A Primeira Aliyah começou em 1882 e foi a principal onda inicial de migração sionista para a Palestina. As ondas subsequentes de imigração se seguiram, mas foram nessas primeiras Aliyot que os valores sionistas de trabalho manual evoluíram para um ethos mais profundo de inovação devido às duras condições de vida e à necessidade de tornar a terra produtiva para a agricultura.

À medida que essas primeiras ondas de imigração continuaram, os valores de austeridade, igualitarismo, argumentação e resistência à autoridade foram formados. Esses valores são amplamente atribuídos como vitais na formação do moderno Estado de Israel, da Força de Defesa de Israel (IDF) e do povo israelense.

Muitos desses imigrantes eram profissionais, médicos, advogados e professores, bem como arquitetos e músicos. Foi durante a época da Quinta Aliyah em diante que a economia se diversificou, deixando de ser predominantemente agrícola para ter uma indústria significativa.

Esta diversificação econômica foi particularmente marcada após a conclusão do Porto de Haifa e suas refinarias de petróleo em 1933.

 

Em 1948, a população havia crescido para 806.000. De 1950 a 1970, o padrão de vida em Israel mudou. Em nítido contraste, o período de 1970 a 1990 foi um período de estagnação econômica. Também, uma mudança na política cambial fez com que a inflação saltasse para 133% em 1980 e 445% em 1984.

Devido à insuficiência de oportunidades em casa como resultado das condições econômicas, muitos israelenses partiram para o Vale do Silício, cenário emergente de startups e capital de risco. Mais tarde, na década de 1990, quando a economia israelense começou a se recuperar, essa diáspora de israelenses foi fundamental para fornecer os elos críticos entre o Vale do Silício e Israel.


Entretanto, a cultura de Israel contribuiu para o espírito inovador e empreendedor que abunda no país. É esta cultura que serve de base para a nação Startup de Israel.

O livro Startup Nation de Dan Senor narra como a história e as circunstâncias únicas de Israel são a razão para os sucessos de startups encontrados no país. Neste livro, Senor cunhou o termo ‘StartUp Nation’, que agora representa a posição de Israel como o país com mais startups em todo o mundo. Senor argumenta que, apesar de, e talvez por causa de sua paisagem geográfica e política distinta, Israel foi forçado a adotar e prosperar por meio do uso de tecnologia e capital humano.

Um dos primeiros exemplos da inovação israelense por necessidade foi a invenção da irrigação por gotejamento; a fim de regar as plantações no deserto com água limitada, a irrigação por gotejamento foi criada e tem sido usada em Israel e no mundo todo.

Além disso, o governo exige que todos os homens israelenses se alistem por quase 3 anos e as mulheres por 2 anos. O exército oferece aos israelenses experiências excepcionais, mas uma necessidade de tecnologia inovadora.
A pequena população significa que os militares devem compensar os músculos com cérebro.

O CEO e presidente da Entergis Enterprises e veterano da Força de Defesa de Israel, Gideon Argov, diz que o exército cria o que ele chama de “empreendedores de campo de batalha”.
O veterano também disse em uma entrevista que essas são características que tornam os donos de startups israelenses tão bem-sucedidos. Essas qualidades não podem ser ensinadas na escola de negócios; ao contrário, são aprendidas por meio da experiência do exército.

Parte da resposta do sucesso das startups se resume à mentalidade e moral locais. A resposta mais ampla é a combinação de recursos (em grande parte humanos, não naturais), ensino superior, o uso generalizado do inglês e o domínio firme da atitude agressiva que tipifica a cultura local.

“Temos uma longa tradição de transformar maldições em bênçãos”, disse Jon Medved, CEO da OurCrowd, uma organização de plataforma de investimento de risco global com sede em Jerusalém.

O CEO diz também: “Per capita, Israel tem o maior número de cientistas e empresários qualificados. 31% por cento dos formados em universidades israelenses buscam empregos em alta tecnologia”.

Fora da América do Norte, Israel também possui o maior número de empresas listadas na NASDAQ.

De cibersegurança à genética, algumas das startups israelenses são as mais bem sucedidas no mercado global: Cybereason (cibersegurança), Intervyo (recursos humanos), MyHeritage (medicina e genética), SeeTree (agricultura), SuperUp (varejo) e SysAid (software)e Waze (navegação).

Post´s Relacionados

Shopping Basket
plugins premium WordPress